domingo, 22 de maio de 2016

Na contra-mão da História

Temer em poucos dias de presidente interino que se imagina definitivo já conseguiu aumentar exponencialmente sua rejeição. Além dos que lhe fizeram oposição imediata, está perdendo a confiança de grande parte dos que marcharam pelas ruas do Brasil com a camiseta da CBF.
Maneja bem a língua portuguesa? Comparando à Dilma, sim. Mas é um português empolado, dos dias de antanho. Démodé.
Retrógrado, autoritário, mostrando-se usurpador, agindo como presidente definitivo quando é apenas interino. Com isso, mostra que não tem compostura.
E trouxe para junto de si pessoas ou desqualificadas para o cargo ou investigados por corrupção ou as duas coisas juntas, com raríssimas exceções.
Já mostrou rapidamente a que veio. Retirar direitos trabalhistas, abrir caminho para a privatização acelerada do sistema de saúde e educação.Tudo a serviço de grandes empresas e do sistema financeiro.E continuando a deixar intocado os privilégios dos ricaços, aqueles multimilionários que não pagam impostos.
Mudou o rumo da política externa soberana do país, curvando-se novamente ao governo americano. Política essa que não é do PT, mas que vem sendo seguida há décadas, desde Getúlio, com as exceções do governo Dutra, de um período do governo militar e de FHC. Uma política autônoma que sempre foi perseguida como objetivo nacional permanente e agora sendo destroçada por um interino ávido de poder presidencial.
Não é pouco pelo pouco tempo que está na interinidade. Por isso é uma temeridade (se trocadilhos) deixá-lo na presidência. Com certeza, o Brasil vai retroagir e aprofundar as desigualdades já existentes.