segunda-feira, 20 de abril de 2015

A pelegada sindical e a terceirização

É interessante ver na televisão o pelegos de centrais sindicais dizendo que os terceirizados terão direitos trabalhistas assegurados, como carteira assinada e outros. Ora, isso é obrigatório, independente de qualquer questão. Assalariados devem ser registrados e ponto. O que não é dito que a empresa ao ter direito de terceirizar qualquer atividade, se desobriga de planos de carreira, de manter estabilidade e buscará pagar para o intermediário um valor total que não seja superior ao que pagava por funcionários contratados diretamente. Como, os intermediários, que antigamente eram chamados de "gatos", precisam ter lucro, é óbvio que pagará bem menos do que o valor que os trabalhadores receberiam diretamente da empresa fim. E ficam sujeitos a periódicas demissões, quando empresa contratada e contratante forem ajustar novos valores nos contratos.
O que é lamentável é ver dirigentes sindicais defendendo esse projeto. Uma reforma boa, ao invés dessa terceiriza-precarização, seria acabar com a contribuição sindical, fazendo os sindicatos e centrais viverem unicamente da mensalidade dos que acreditam neles.