terça-feira, 2 de setembro de 2014

As ruas e a campanha eleitoral


Os manifestantes que foram às ruas no ano passado pediam mudanças. Mas que mudanças? Em sua imensa maioria queriam políticas públicas de qualidade. Queriam mudanças no absurde sistema de saúde, que só ajuda os planos de saúde a ganhar mais, sacrificando o orçamento da classe média e até de pessoas pobres. Planos esses que cada vez mais na ânsia de ter uma quantidade cada vez maior de clientes praticam um serviço cada vez pior. Queriam mudança no sistema educacional de péssima qualidade, com um ensino médio que não serve a ninguém. 
Queriam um sistema de segurança pública que funcione de fato na defesa do cidadão e não contra o cidadão. Além de transporte, habitação e outros.
O que vemos nos debates dos candidatos passa muito longe disso. Para efetivar projetos sérios nesses aspectos reinvidicados pelo povo são necessárias mudanças reais e profundas na gestão dessas políticas públicas.
Mais importante do que ver pessoas se digladiando pelo poder, unicamente pelo poder, o que queremos é um Estado unido em busca de soluções efetivas.
Não creio que virá das propostas dos candidatos nesta eleição. é mais do mesmo, às vezes nem mais do mesmo. É o mesmo com menos. 
Estão mais preocupados em agradar grandes empresários e banqueiros (estes os que mandam realmente no país sem ter concorrido a nenhuma eleição.) do que fazer as confrontações necessárias com a burocracia, com os que subordinam ao Estado a seus interesses do que de fato mudr realmente a favor do povo. Pedro Guilherme