terça-feira, 5 de agosto de 2014

Uma venerável voz judia a favor da paz

Henry Siegman, rabino e ex-diretor executivo do Congresso Judeu Norte-americano e do Conselho de Sinagogas dos Estados Unidos, sustenta que a ocupação israelense dos territórios palestinos deve terminar

Por Amy Goodman, artigo publicado em Truthdig em 30 de julho de 2014. Tradução para português de Carlos Santos para Esquerda.net*

O ataque de Israel contra a população palestina da Faixa de Gaza já leva mais de três semanas. O atual ataque militar terrestre, marítimo e aéreo dura há mais tempo que o terrível ataque de 2008/2009, no qual morreram 1.400 palestinos. O número de mortos é de pelo menos 1.400 pessoas, na sua grande maioria civis [1]. No momento de escrever esta coluna, as Nações Unidas confirmaram que uma escola da ONU em Gaza, em que milhares de civis estavam refugiados, foi atacada pelas Forças de Defesa israelitas, deixando um saldo de pelo menos 20 pessoas mortas. As Nações Unidas informaram 17 vezes as coordenadas exatas do refúgio às forças israelitas.

Democracy Now! entrevistou Henry Siegman, uma referência do pensamento judeu nos Estados Unidos e presidente do “US/Middle East Project” (Projeto Médio Oriente/Estados Unidos). Siegman é rabino e ex-diretor executivo do Congresso Judeu Norte-americano e do Conselho de Sinagogas dos Estados Unidos, duas das principais organizações judias do país. Siegman sustenta que a ocupação israelita dos territórios palestinianos deve terminar.

“Há um dito talmúdico na ‘Ética dos pais’ que sustenta ‘Não julgues o teu próximo enquanto não tiveres estado no seu lugar’. Então, a minha primeira pergunta ao abordar qualquer problema relacionado com a questão israelense-palestina é: que faríamos se estivéssemos no seu lugar’. Que sucederia se a situação se revertesse e a população judia fosse sitiada ou se lhe dissessem: ‘Damos-lhes menos de 2% da Palestina. Agora comportem-se. Nada de resistência e permitam-nos tratar do resto’. Será que algum judeu diria que é uma proposta razoável?”.

Siegman continuou: “Nas circunstâncias atuais, Israel tem o direito de fazer o que está a fazer agora e, certamente, como se sustentou, inclusive o presidente dos Estados Unidos o afirmou em reiteradas ocasiões, nenhum país aceitaria viver sob essa ameaça permanente. Ainda que lhe tenha faltado dizer, e é o que invalida e mina o princípio, que nenhum país nem nenhuma população aceitaria viver do modo a que se obrigou a viver as pessoas de Gaza. E, portanto, isto também invalida essa equação moral que põe Israel no lugar da vítima que deve atuar para evitar que a situação continue desta maneira. E os nossos meios de comunicação raramente assinalam que os palestinos de Gaza ou o Hamas, a organização que dirige Gaza, que são os atacantes, também têm o direito a ter uma vida normal e digna e que eles também devem pensar ‘que podemos fazer para pôr fim a esta situação?’”.

Henry Siegman nasceu na Alemanha em 1930. Ele e a sua família foram perseguidos pelos nazistas. “Vivi dois anos sob a ocupação nazista, a maior parte do tempo correndo de um lugar para outro, escondendo-me. Sempre pensei que a lição mais importante do Holocausto não é que existe o mal, que há pessoas malvadas no mundo que podem fazer as coisas mais cruéis e inimagináveis. Essa não foi a principal aprendizagem do Holocausto. A grande aprendizagem do Holocausto é que a gente de bem, cultivada, que geralmente consideraríamos boas pessoas, podem permitir que esse mal se imponha. A população alemã, que não eram monstros, permitiu que a máquina nazista fizesse o que fez”.

O pai de Siegman foi um dos líderes do movimento sionista europeu, que reclamava uma pátria para o povo judeu. Siegman contou: “Eu era um fervoroso sionista desde criança. Lembro-me que no barco que me trouxe aqui, quando estávamos vindo para os Estados Unidos e teria 10 ou 11 anos de idade, escrevia poesia e canções sobre o céu azul da Palestina. Naquela época denominávamo-la Palestina”.

Nos Estados Unidos, Henry Siegman converteu-se numa importante referência da vida judia norte-americana. Quando lhe pedi que refletisse sobre o ataque atual contra Gaza, sustentou: “É desastroso. Tanto em termos políticos como do ponto de vista humanitário. Quando alguém se põe a pensar que isto é o que faz falta para que Israel sobreviva, que o sonho sionista se baseia no assassinato reiterado de pessoas inocentes à escala que vemos hoje na televisão, trata-se de uma crise muito profunda do pensamento de todos os que estamos comprometidos com a criação de um Estado e do seu sucesso”.

Pedi a Siegman que olhasse para um fragmento do programa “Face the Nation”, da cadeia CBS. O apresentador, Bob Schieffer, finalizou recentemente o programa com o seguinte comentário: “No Oriente Médio, o povo palestino encontra-se sob o controle de um grupo terrorista que embarcou numa estratégia para que as suas próprias crianças sejam assassinadas para conseguir a compaixão pela sua causa. Esta estratégia talvez esteja funcionando, pelo menos em algumas partes. Na semana passada, encontrei uma citação de há muitos anos de Golda Meir, uma das primeiras líderes de Israel, que bem poderia ter sido pronunciada ontem: ‘Podemos perdoar aos árabes por matar os nossos filhos’, afirmou, ‘mas jamais poderemos perdoá-los por nos obrigar a matar os seus filhos’”.

Siegman disse que tinha visto o programa e respondeu: “Conheci a Golda Meir e escutei o seu comentário. Naquele tempo pensei —e agora também penso— que é uma declaração terrivelmente hipócrita. Essa declaração foi feita pela mesma mulher que disse: ‘Os palestinos… não existem os palestinos. Eu sou palestina’. Se não queres matar os palestinos, se te provoca tanta dor, não deves matá-los. Podes dar-lhes os seus direitos e podes pôr fim à ocupação. E, culpar os palestinos pela ocupação e pelo assassinato de inocentes de que estamos a ser testemunhas neste momento em Gaza? Por quê? Por querer um Estado próprio? Por querer o que os judeus quiseram e conseguiram? Acho, para dizê-lo em termos suaves, pouco digno de admiração. Há algo profundamente hipócrita na sua declaração original e na repetição agora como uma grande reflexão moral”.

Enquanto os Estados Unidos continuam a fornecer armas a Israel, mais de 250 crianças morreram em Gaza. Em lugar de lhes dar armas, os Estados Unidos e o resto do mundo deveriam pressionar Israel para que ponha fim à matança.

Denis Moynihan colaborou na produção jornalística desta coluna. Texto em inglês traduzido por Mercedes Camps para o espanhol.


Fonte: Revista Fórum



[1] Nota do Blog Sanaúd-Voltaremos: No 25ºdia (08/07 a 04/08) do massacre que Israel comete contra a população de Gaza, o numero de mortos ultrapassou os 1845 e mais de 9600 feridos, sendo a imensa maioria de crianças, mulheres e idosos.