domingo, 31 de agosto de 2014

Sobre os três principais candidatos (ou serão apenas duas?

Por enquanto nenhuma das candidaturas traz algo de novo. O novo seria a ênfase na luta contra a gigantesca desigualdade social, que para diminuí-la é necessário afrontar poderosos interesses de oligarquias, cujo sentimento do povo é quase nenhum. Seria ter políticas efetivas para separar polícia de forças armadas e no caso da segurança e justiça, definir que tipo de crime deve ter prisão e que tipo de crime deve ter penas cumpridas de forma alternativa, para que o país não gaste tanto com prisões, ajudando a formar mais criminosos: seria fazer propostas efetivas para melhorar a qualidade de atendimento em saúde e não apenas ficar falando em mais verba. (porque a Rede Sarah funciona, fazendo atendimento gratuíto e o restante do sistema não?). O novo seria as candidaturas se deslocarem dos que sempre mandaram neste país e ir em busca do que a população clama, sem demagogia e com lucidez.