terça-feira, 17 de junho de 2014

Copa do Mundo dos Refugiados

Juca Kfouri - em seu blog no UOL

 
20140617-000358-238874.jpg
Organizações sociais se unem para celebrar o Dia Mundial dos Refugiados com uma Copa do Mundo inclusiva e diferente: os astros do evento vêm de todas as partes, mas já vivem aqui como refugiados
Nas últimas semanas, os aeroportos brasileiros estão cada vez mais repletos de faixas e cartazes onde se lê “Welcome to the World Cup 2014”, dando calorosas boas-vindas a todas as pessoas chegando ao país do futebol e lhes lembrando de nossa famosa receptividade com os estrangeiros.
Durante os jogos, no entanto, uma data é celebrada para outro tipo de estrangeiros que vêm ao Brasil: o Dia Mundial dos Refugiados.
Nos últimos tempos, o brasileiro passou cada vez mais a conviver com esse novo grupo de pessoas em nossa sociedade, principalmente nos centros grandes urbanos, vindos da América do Sul, do Oriente Médio e da África. Cada grupo de refugiados tem o seu motivo pessoal para deixar tudo para trás e vir ao Brasil começar do zero.
No contexto geral, é possível dizer que a esmagadora maioria de sírios, por exemplo, vindo ao Brasil, estão fugindo da guerra civil em seu país; para os congoleses, a maioria foge da perigosa perseguição política.
Um dos casos mais notórios foi a diáspora haitiana no Acre e em seguida, no resto do país. Apesar de não serem considerados refugiados, eles também vieram aos milhares para as terras brasileiras em busca de uma vida nova, muito por conta do terremoto de 2010 que destruiu o já falido país caribenho.
De acordo com o Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (Acnur), o ano de 2013 foi um dos maiores da história no mundo inteiro no que diz respeito ao deslocamento forçado de pessoas – tanto internamente, quanto para outros países – por conta de conflitos e perseguições.
Os números chegaram a 5,9 milhões de pessoas forçadas a abandonar suas casas nos primeiros seis meses de 2013. No Brasil, isso se traduziu em mais de 5 mil solicitações de refúgio, ao longo daquele ano.
Para celebrar esta data, será realizada uma Copa para Todo Mundo – a Copa do Mundo dos Refugiados.
Serão 8 times com refugiados representando diferentes nacionalidades que, por motivos de guerra, perseguição política, religiosa e étnica, deixaram suas nações de origem e estão dispostos a começar uma nova vida no Brasil. Congo, Síria e Haiti estão entre as seleções.
O evento será organizado em parceria entre as ONGs Adus (Instituto de Reintegração dos Refugiados) e Atados. Em 2013, as ONGs já promoveram uma comemoração à data, com a festa One Love Junino. Dessa vez a ideia chegou ao Atados por meio de um novo projeto – Gaveta pra Rua – que tem como proposta tirar ideias que estão na gaveta e levá-las para a Rua.
A Copa do Mundo dos Refugiados acontecerá no Colégio Santa Cruz – Av Arruda Botelho, 255 -, no dia 29 de junho. Colocando, nesse dia, os holofotes nos refugiados e mostrando que também podem ser astros como os das seleções de seus países.
Está no ar também uma campanha de financiamento coletivo no Juntos para arrecadar os recursos para a realização da festa . www.juntos.com.vc/projetos/copa-dos-refugiados/
A festa está aberta a todos que queiram participar no dia comparecendo ao evento ou se voluntariando: www.atados.com.br/ato/copa-dos-refugiados