quinta-feira, 18 de outubro de 2012

ABRIRAM A PORTA DO HOSPÍCIO

ABRIRAM A PORTA DO HOSPÍCIO


Laerte Braga


Mitt Romney só não é louco de pedra porque não rasga nota de dólar. Pelo contrário, guarda em paraísos fiscais. Imagine um sujeito assim senhor de cinco mil ogivas nucleares e aquela malinha que dispara os códigos?

Com certeza a maior festa de réveillon de New York embora a cidade não seja propriamente norte-americana. Uma espécie de exceção a toda aquela baboseira de botas texanas e esporas. Esporas principalmente.

A polícia inglesa está se transformando em motivo de piada mundial não fosse o caráter trágico de suas ações. Mataram um brasileiro confundido com terrorista e agora um policial dispara uma daquelas armas de choque contra um cidadão que portava uma bengala supondo que a dita fosse uma espada.

Deve ter enxergado Gêngis Khan isso depois de horas e horas num pub. Só pode. Ou então visto aqueles filmes norte-americanos que monstros emergem do mar e saem destruindo tudo. A espada mágica do rei Arthur é que não foi.

Pobre Grã Bretanha. Reduzida a condição de base militar da OTAN e com apenas uma rainha caquética com medo de deixar o trono para Charles, um trapalhão que adora tampax. Colônia dos EUA.

A culpa disso tudo é do Irã. Da crise na Grécia, na Espanha, em Portugal, do prêmio Nobel para a Comunidade Européia. Os caras resolveram, no meio do baile, soltar o célebre grito – “todo mundo nu”.

Pronto! Deu em Ângela Merkel.

Falta um sambódromo em Paris. Se dá certo ou não num sei, mas Joaquim Barbosa no carro alegórico ia ser o máximo. Gilmar Mendes ajudaria a empurrar, com certeza.

Senhoras e senhores, eis a Justiça!

Volta correndo Conan Doyle. Dê um jeito aí em cima de materializar-se em um cidadão europeu qualquer e traga de volta Sherlock Holmes. Os norte-americanos já arranjaram um jeito do doutor Watson virar mulher.

O capitalismo conseguiu transformar asa de frango em parte nobre dessa excelsa figura galinácea. Cisca para trás.

Coloca o carro na cama e deixa Uma Thurman na garagem.

Adore o air bag. Perceba toda a sensibilidade dos freios, do computador de bordo.

Atenção! Olhar à esquerda! Quatro aeromoças da Panam em trânsito para os aeroportos do passado.

Houve um tempo em que o melhor da culinária italiana podia ser encontrado nos vôos da Alitália.

Houve um tempo...

Barrinhas de cereais. Baixa caloria e alimenta. Ou então paga a primeira classe, mas o champanhe não é o célebre Don Peringnon.

Os caras chegaram de todas as partes do mundo com suas malas, seus olfatos agudos, paladares apurados e sede desértica para concluir que o melhor vinho custa 15 euros e é produzido num vinhedo familiar.

Trem de doido sô! Uvas massagadas com os pés e nem é do Porto.

A maior besteira que fizeram foi acabar com o fog em Londres. Nunca vão descobrir a real identidade de Jack o Estripador.

Resta James Bond e M. Dá caldo. Não foi bem o que Ian Fleming pensou, mas Hollywood repensa tudo e coloca cores e efeitos especiais fantásticos.

A GLOBO por aqui mostra tudo para a galera de Homer Simpson.

Abram outras portas, as da percepção de Huxley, antes que a essência faça macaquices.

Pior se alguém descortinar um admirável mundo novo. É passo de ganso.

Já tentou pensar no dia a dia de George Bush. Acordar e se vestir, ter que amarrar os sapatos? Umas duas horas no mínimo. O cara consegue a proeza de ler livros de cabeça para baixo. Mas se segura no lombo de um touro por alguns segundos e pronto.

Explode o Iraque.

Acha que é John Wayne, nem chega aos pés de Jesse James. Com um pouco de esforço consegue ser um Dalton.

Martin Lutero inventou o capitalismo. Um brasileiro, ou muitos alguns brasileiros inventaram o tal do dízimo. Milagre engarrafado.

Garantia de êxito em cem por cento, mas no caso de falha não devolvem o dinheiro. A culpa é a falta de fé.

Tenha fé irmão! Saia pelas ruas gritando aleluia, às vezes Deus é surdo e não consegue ouvir seu pedido.

Três desejos só. Destampe a garrafa. Se for fanho não peça um pênis grande.

Vamos lá, entupir as cidades de viadutos, mergulhões e forças pacificadoras, mas bem entendido na base do porrete.

BOPE neles!

Chamam isso de nova ordem democrática e implicam que mineiro chama troço de trem e trem de troço. Nada a ver com Aécio. Esse não é mineiro. Se for solto no centro de Belo Horizonte não chega na esquina. Só se for de táxi.

E FHC não sabia onde ficava Sapopemba. Jânio pegou-o pela arrogância.

Serra não. Sabe onde fica o cofre de Daniel Dantas. Gilmar Mendes já desenhou o mapa do tesouro. Dois habeas corpus.

E louco é o cara que sai correndo pelas ruas pelado aos gritos de é o fim do mundo.

Acaba nada! Mas que abriram a porta do hospício isso lá abriram. Qualquer hora aparece Napoleão Bonaparte para proclamar que “séculos de história vos contemplam”.

Ninguém vai entender nada e vão interná-lo recluso em cela com camisa de força e tudo.

Aí é hora, outra hora, de pedir um conhaque. E depois passar a régua.