terça-feira, 24 de janeiro de 2012

Lições de Pinheirinho


PM ataca interior de alojamento cedido pela prefeitura de São José dos Campos para os expulsos de Pinheirinho. Enquanto isso, Daniel Dantas deve estar em uma de suas 32 fazendas devolvidas pelo Estado e Naji Nahas deve estar comemorando com amigos a vitória. O que é inadmissível é ver a covardia com que agiu o prefeito de São José dos Campos, a total insensibilidade do Judiciário, a ausência da Assembléia Legislativa, a incapacidade do Governo do Estado de encaminhar um acordo já desenhado. Mas, o que é mais impressionante é que ao longo de vários anos não se conseguiu encontrar uma solução adequada para deixar a população segura onde estavam. Ouvi comentários falando sobre o direito de propriedade. Ali era propriedade de um marginal, abandonada por causa de uma falência. Sabe-se lá como ele conseguiu o dinheiro para comprar aquela área. E o dinheiro que ele deve ao Estado. Que providências tomaram para recuperá-lo? Por acaso puseram polícia em frente a casa dele? E a justiça o que está fazendo para o Estado recuperar o dinheiro que é devido? O que a forma de agir do Estado (Legislativo, Executivo, Judiciário) mostra em Pinheirinho, de forma didática, é como ele tem agido ao longo do tempo: Uma política urbana que contempla o capital, a omissão em ocupações e nos aspectos mais gerais uma corrupção desenfreada onde a justiça não existe, onde se constata de forma cada vez mais clara que é um Estado apodrecido, fraco diante de quem tem dinheiro, mesmo que esse dinheiro seja produto de roubo e forte, fortíssimo diante de quem não tem nada, a não ser a vida e uns poucos pertences.